sexta-feira, novembro 11, 2005

Pensamento dúbio ... a propósito da "Seat"

Só as pessoas fúteis não fazem julgamentos baseados na aparência.
O verdadeiro mistério do mundo são as coisas visíveis, não as invisíveis."

Oscar Wilde (1854-1900)

Considera-se um conceito amplo de design, a combinação de aspectos estéticos e de definição de forma, com a concepção de novos materiais, a introdução de processos de fabrico de elevada intensidade tecnológica e a minimização de custos associados à interacção dos produtos-serviços com o ambiente. A hipótese de que parto é a de que estamos a aproximar-nos de um momento de transformação radical da nossa cultura, que poderíamos designar como a entrada numa era do «design total». Tal não significa apenas o reconhecimento usual de que tudo ou quase tudo vai entrando na sofisticação de uma congeminação estética e funcional, como acontece, hoje em dia, com o mais insignificante objecto, utensílio, aparelho ou máquina.
Na verdade, esta hipótese vai ao encontro do próprio sentido da palavra «design», ostentada com a ideia de iludir enganar ou os obstáculos que se apresentam à acção do homem, já que «design» (quer como nome quer como verbo) significa não apenas intencionar, visar segundo um plano, mas também esboçar com sucesso uma simulação de algo sobre o qual possuímos um conjunto de intenções. É neste plano que a ideia de design mais intimamente se reúne às noções de arte, de técnica e, ainda, de mecânica e de máquina, aproximáveis, todas elas de um pensamento artificioso que caracteriza o homem como um artífice. Ou seja, sempre defendi (desde que entrei no mundo do design) que um produto tinha de ser sobretudo funcional, mas hoje admito que a beleza passou a ser uma prioridade do consumidor, ora segundo este ponto de vista, e sem querer prolongar mais este assunto, considero acertadas as palavras do “justo” vencedor do concurso o Ricardo Figueiroa, que expressou, ter gostado em particular do trabalho do Nelson Simões, classificado em segundo lugar, que segundo suas palavras o considerou «coerente» e com uma «boa concretização a nível gráfico». Portanto, quanto a juízos de valores sobre o concept car dos meus colegas, tenho a mesma opinião!... Mas, só mesmo eles (O Luís e o Pedro) para expressarem a sua opinião pessoal!
Como nota conclusiva só quero acrescentar que, considerei oportuno dar a conhecer um trabalho de dois colegas de curso, que aliás continuarei a fazer quando assim o entender!!!

E não foi a minha intenção menosprezar o trabalho de ninguém, se os “escolhidos”, foram segundo a “Seat” os mais concretizáveis, é porque entenderam ser aqueles que de alguma forma, se enquadravam no espírito da nova linha “Seat/Emocion”. Portanto, meus caros! O que importa é que o panorama do design em Portugal está a mudar, e é com este género de opiniões, que se constrói um mundo melhor! Com opiniões construtivas, e não tanto de assombro… ;-)

3 comentários:

mau feitio disse...

Patricio, este teu texto parece-me um bom ponto final na discussão acerca do concept car Seat.
Talvez também, um ponto de reflexão para todos aqueles, que como eu, possivelmente deram a sua opinião precipitadamente. Não nego que possa ter sido influenciado pelo facto de ser colega de curso do Pedro e do Luis. Mas, não nego também tudo aquilo que disse a respeito da Seat.

Espero que continues a encontrar temas de discussão como este.

...gostei da citação de Oscar Wilde. Também eu fui fútil em tempos.

mau feitio disse...

Julguei um falso ponto final nesta discussão. Pelo que parece, a conversa pegou fogo mais do que os carros em França ;)
Pessoal, fui ao site da Seat (algo que já devia ter feito antes :| ) e volto a dizer: "não nego aquilo que disse a respeito da Seat".
Esta marca não tem personalidade definida. Os protótipos seleccionados mostram precisamente essa falha (talvez por isso tenham sido seleccionados, sei lá lol).
Perante aquela amostra absurda de "abortos" (passando a expressão já usada), não encontrei um único (aborto) que se parecesse com a mãe. Vi uma dezena de Nissan 350z com grelha de Ibiza. Alguns faróis traseiros com ar de Honda ou algo assim.
As únicas referencias de desenho europeu que encontro são as linhas do Porshe Spyder no 1ºclassificado, algo de Smart Roadster num outro, um volvo algures... e, não... nada de Seat.
Ah! Deitem uma olhada a alguns protótipos da Peugeot... são capazes de encontrar um tal de 3º classificado.
Bem que podia passar a noite toda a descrever um a um, mas acho que não é necessário, já deu para ter uma ideia.
Bem, talvez a Seat esteja a pensar em participar no próximo salão automóvel de Tokyo =)

Patrício, depois de se ter falado no termo conceito, proponho que uma próxima publicação neste blog reflicta sobre o termo coerência. É apenas uma sugestão que acho oportuna.

Quanto à apresentação dos desenhos, existem algumas boas apresentações, como é o caso do primeiro classificado, mas outras, bem... não sei se já alguma vez olharam para revistas de azeite (tunning, desculpem...)! Costuma haver uma secção de desenhos enviados por leitores, “caricaturando” carros existentes no mercado. Rodas enormes estupidamente elípticas, alargamentos impossíveis, linhas curvas como chocolate ao sol... já perceberam o que quero dizer.

Agora que fiz uso do meu nome, hehehe... vou acalmar um pouco.

Vejam o site do Ricardo Figueiroa, acho que vale a pena. Tem uma boa apresentação e trabalhos interessantes.


-Mau feitio, sempre!-

Ricardo Figueiroa disse...

Bom! Muita discussão acerca do concurso da Seat. Muito sinceramente, também não compreendo a publicação de alguns projectos que foram a concurso. Mas também tenho dificuldade em compreender aqueles que criticam a falta de originalidade de alguns projectos e apontam como exemplo o trabalho do Pedro e do Luís. Embora seja um excelente trabalho técnico em Phothoshop, feito com bom gosto, não é mais do que mínimas alterações ao concept Tango da própria Seat. Não vou estar a escrever um longo comentário em relação ao meu projecto por isso quem estiver interessado pode ir a este link para saber resumidamente as minhas justificações:
http://ciberia.aeiou.pt/?st=3656
Quem quiser conhecer mais do meu trabalho visitem a minha página pessoal:
http://www.ideosyncrasy.com
Mau feitio, obrigado pelo comentário.
É bom que existam blogs como estes e parabéns ao seu autor.
Cumprimentos a todos e continuação de bom trabalho. :)